sexta-feira, 2 de julho de 2010

Intervalo maldito...

Talvez seja fácil escrever, opinar sobre uma partida de futebol depois que a mesma acaba. Mas às vezes só é possível assim fazer, quando coisas inexplicáveis ou quase acontecem. Pois bem, aqui no Maranhão não somos reconhecidos, justamente, por praticarmos um bom futebol, mas aí é um outro assunto. Porém posso testemunhar que nas praias daqui já vi muitos Kakás, Robinhos, Juniors, entre outros... Isso em peladas sempre muito disputadas; aquelas do par ou ímpar, em que sobram um monte de famintos a esperar a vez do "desafiado". Portanto, afirmo que um Lúcio só jogaria numa dessas peladas se fosse o dono da bola. O Felipe Melo teria que chegar muito cedo e ser muito amigo do Lúcio. Conclusão: Pra quem acha que "espanar" é jogar futebol, pra quem acha que ser desleal é jogar futebol, tá de bom tamanho ter chegado até às quartas. Vitória justa da Seleção Holandesa que soube aproveitar o intervalo pra tomar uma dose de humildade, acompanhada com uma forte certeza de que poderiam reverter o placar. Pelo lado Brasileiro ocorreu o inverso, inacreditavelmente. Segundo tempo de trocas em excesso. O Brasil trocou de campo, de comportamento, de posicionamento e, passou a incorporar um indecente desequilibrio emocional. Seria a angústia antecipatória? - Não sei. Mas havia um que de desespero questionável como a dizer: 45 minutos custam a passar muito? E a resposta batia de volta na cabeça de cada um de nossos jogadores: Acho que sim, acho que sim, acho que sim. Conclusão: Desfoque total, medo paranormal, tensão e DERROTA. Bem amigos, se Futebol é emoção, vejam como eu gosto de Adrenalina. Minhas seleções de agora por diante são: URUGUAI E PARAGUAI. Já tô fudido mesmo...