segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo?

Agradeço a sujestão do tema que me foi pedida pela Josilma. E agora? rsrs

Creio que a paixão quando surge em nossas vidas, é tão intensa que se torna impossível dividi-la. Ficamos em um estado de tanta urgência e encantamento, que só conseguimos pensar em uma única pessoa. Mas, parece que é possível amar duas pessoas ao mesmo tempo, sim. Vejamos: Segundo os psicólogos, é possível amar duas pessoas ao mesmo tempo, mas de formas diferentes. Isso porque há vários tipos de amor como o Eros (mais ligado ao físico e muito intenso), o Estorge (um amor que nasce de uma amizade, baseado em companheirismo) e o Pragma (ligado a interesses econômicos ou sociais). Todos já passaram por uma experiência em que se viu amando duas pessoas. O coração bate por um, mas talvez fosse ter uma vida melhor com o outro. É improvável estar apaixonado por duas pessoas. Se você está vivendo essa situação, os psicólogos sugerem dar tempo ao tempo. Deixar as idéias amadurecerem, já que parte do que sentimos está baseado em idealizações. Além disso, há uma dinâmica: uma das pessoas amadas pode agir de um forma inesperada ou deixar de gostar de você. Um estilo de amor vai preponderar e a decisão vai ser tomada. É esperar o desfecho... Amar duas pessoas ao mesmo tempo vai contra as convenções sociais. Se o comportamento poligâmico parte de uma mulher, então, sai de baixo! São poucas as que conseguem aceitar o sentimento, e menos ainda as que ousam lutar contra o estigma, entregando-se a amores simultâneos. Tema polêmico até nas telinhas. Os psicólogos dizem que no século XVIII, vendeu-se a idéia de que casamento e amor andam juntos. A fidelidade é, inclusive, defendida pela lei. Mas não dá para esperar que o amor vá durar o mesmo tempo que o casamento, pois ele é um sentimento, um ato de vontade. Para eles, no momento em que entendermos que um amor não anula o outro, muitos casamentos serão preservados: é possível amar uma pessoa, estar muito bem com ela, e, ainda assim, se encantar com outra. O amor não tem regra, nem hora para chegar. Mas, se partimos do pressuposto que só podemos amar uma pessoa, acabamos caindo no preconceito de achar que há alguma coisa errada para termos despertado para outro homem. Essa conclusão é perigosa, podendo levar a terminarmos uma relação muito boa. Polêmico para nós, o assunto não despertaria muito interesse em outras culturas. A exclusividade do coração pode ser pré-requisito em alguns relacionamentos, mas quando nos afastamos de nossa realidade, encontramos exemplos de poligamia espalhados pelo mundo. Dos haréns afegãos às famílias mórmons americanas, os homens parecem ter o aval para manter uma coleção de esposas. Em nossa sociedade, a monogamia é uma questão cultural, tendo inclusive apoio religioso. São tentativas de legislar sobre o desejo humano, e, principalmente, sobre a sexualidade feminina. A nossa cultura é monogâmica, e tem tradição cristã. Inserida nesse contexto, quando a pessoa se percebe amando duas, entra em conflito. hacs