segunda-feira, 6 de março de 2017

A ingratidão, porque dói

Tenho o mesmo pensamento de alguns líderes religiosos. A gratidão é o sentimento que mais agrada a Deus.
O ingrato anda na contramão.
É fácil percebermos que o ingrato também é egoísta.
Se acha simplesmente merecedor de todas as coisas. Por isso não sabe agradecer. Não sabe retribuir.
O pior dos ingratos é cruel, devido ao egoísmo de sua essência.
Ele não dá, não empresta, não te estende a mão.
Mas o ingrato tem uma peculiaridade interessante. Quando pra satisfazer seus anseios, mergulha no êxtase da hipocrisia. É cordato, gentil, meigo.
Atinge o objetivo e, pra surpresa geral, exibe um ar de insatisfação, sugerindo que não era bem aquilo que almejava.
Porque o ingrato se delicia em transferir responsabilidades.
Coitado de Deus! "Deus me guarde, Deus me livre, Deus me faça a feira".
A dor? Fica em quem ama o ingrato. Dado ao sentimento de impotência, diante de um horroroso sentimento.
O ingrato é um acumulador. Está sempre querendo mais e, nunca para de querer.
A ingratidão dói, dói, dói, dói. . .