quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Não deixes que eu me canse (Pe Zezinho)


Não deixe que eu me canse meu Senhor
Ao ver o que este mundo se tornou

Decepção violência e rancor
Egoísmo de quem tem demais
E a revolta de quem nada tem
Muita gente inverteu seu valor
Ao que é guerra se chama de paz
E a maldade se chama de bem

Religião quanta vez aliena
Solidão não inspira mais pena
Quem não vê continua sem ver
Quem tem mais não reparte o que tem
Tudo está como bem lhes convém
Quem não tem continua sem ter

Ocidente e Oriente combatem
E na luta os mais fracos abatem
Quem subiu não aceita descer
Quem ficou quer subir de estatura
Nem que seja a poder de loucura
Quem não é continua sem ser

Há quem diga que a realidade
Sempre foi guerra, ódio e maldade
E que o mundo jamais vai mudar
E eu que creio na tua verdade
Te suplico com toda a humildade
Por favor não me deixes cansar