segunda-feira, 26 de julho de 2010

Falsas Indignações. (Por Kkampus)


Falsas Indignações.

Desde quando o esporte é permeado de interesses econômicos ou políticos? Diria desde sempre, mas a crise moral que se instalou com a globalização tornou esta influencia menos velada , e de instalação bem mais rápida, como todo os maus costumes  desta política neoliberal, faceta mais cruel do capitalismo selvagem, imposto pelos impérios dominadores.
 Quantas decisões de fórum íntimo, na vida, são realizadas contra nossa vontade, por compreender que muitas das vezes não temos o controle, que temos que aceitar a hierarquia? Quantos não já ouviram a frase nojenta: “Manda quem pode e obedece quem tem juízo!”, este mote preferido de bandidos e seus capachos. Então como condenar Felipe Massa ou Nelsinho Piquet ou mesmo Rubinho, que passaram por situações semelhantes? O mundo é das empresas, das grandes empresas, que estão inclusive acima de governos. O que está por trás de Fernando Alonso? Na última Copa do Mundo de futebol, antes de iniciar parecia que já se sabia quem iria ganhar; a imprensa só errou que o Brasil é que perderia para Espanha; fomos tão ruins que nem valorizamos o esquema de sermos vice, nem técnico levamos. Repito, o esporte é comandado por empresários e políticos. Há muito se fala  na transmissão do circo da fórmula um; literalmente é um circo, mas nós ficamos na condição de palhaços num jogo de cartas marcadas, onde está tudo armado e os vencedores já foram escolhidos. Pode ter certeza que o maior banco do mundo tem muita força e não vai medir esforços, lícitos ou não, para fazer Alonso, seu pupilo da pátria, novamente campeão.
“Não há almoço de graça!” . Assim atrás do patrocínio há sempre uma troca de interesse.
Eu trabalho numa profissão e vejo pessoas se venderem por pouco dinheiro, trocando sua competência por acordos imorais com empresários, com a industria farmacêutica e de equipamentos médicos. Isso está entranhado em todas as profissões, e dificulta muito os processos de evolução político-social.. E quem não aceita o esquema está mal fadado a amargar o ocaso, ou então “só roerá o osso”. Mas, “o inferno são os outros!“. Então, esqueçamos as falsas indignações e viva-se a vida, que em sua melhor tradução_ é uma grande hipocrisia.
Três vivas ao Banco Santander!

Wesley C Campos - Médico, poeta, músico. É colaborador do "Parafernálias" e assina a Coluna Kkampus