quinta-feira, 8 de julho de 2010

Em honra do bom futebol. (Por Kkampus)



 
Deixando o patriotismo de lado, a final entre Holanda e Espanha é justa.



Confesso que antes do jogo, torcia levemente para a Alemanha, baseado no que ela apresentou durante toda a Copa, contudo na semi-final não conseguiu repetir a excelente atuação diante dos Argentinos.



Mas eu repito, insisto, sou amante do verdadeiro futebol, do melhor futebol, este de toque de bola refinado, que dá gosto de ver, este do tipo que a Espanha mostrou neste último jogo e que lhe dá o merecimento de estar na final. A Espanha foi Brasil:Zico, Sócrates e Falcão (82 de novo!), talvez mostrando a todos que precisamos voltar a resgatar valores esquecidos por um medíocre pragmatismo.



Para todos os campeões e rivais, é a final menos dolorosa, pois qualquer uma das seleções que vença a Copa da África do Sul, será sua primeira vez, muito distante das potencias que possuem vários títulos.



Deve doer menos, sabendo que os finalistas são os melhores. As finalistas tem os grandes craques, aqueles que não reclamam tanto da Jabulane, pois sabem tratar a bola com respeito, com intimidade, como Don Juan (de Marco) e as mulheres.



Não vou assistir a final na hora do jogo. Queria que a Holanda vencesse pra coroar esses tantos anos de bom futebol, mas sem um titulo de Copa do Mundo; em honra da “Laranja mecânica, do Carrossel Holandês”, de Cruiff, de Giulitt, Overmass, Van Basten, Raikard, Frank de Boer (perdoem a grafia do nome dos  caras), enfim , em honra do bom futebol.