terça-feira, 29 de junho de 2010

Vive La France (Por K.kampus)


Vive La France II.

A justiça não tarda, de onde vem seria entrar em searas nebulosas, em questões de fé. E o Deus de cada um,  não sei se teria tempo pra assistir uma partida de futebol. Mas é certo que a França não merecia estar na Copa; entrou pela porta dos fundos, com um gol ilícito, num passe de mão do Henry, na repescagem das eliminatórias européias..
Seria mais polido a federação francesa ter abdicado da sua vaga para a Irlanda, após a constatação do tal lance mágico, o que evitaria o fiasco de ter sida eliminada na primeira fase da Copa. As razões de como a seleção francesa chegou nessa situação é um assunto para os analistas de lá , pra ser discutido nos cafés de Paris.Contudo parece que o relacionamento entre os jogadores e seu técnico foi fundamental, além do apagar das luzes de uma geração de ouro que se aposentou.
Não sei quão longe vamos com nossa seleção, mas apesar das minhas criticas acidas ao nosso técnico, parece que temos um time mais organizado, que pode vencer e assim valerá os aplausos, mesmo que não ecoem longe, pois o futebol ficou feio, o Brasil já não é mais Brasil, tem um sotaque quase alemão;
infelizmente o encanto quebrou-se em 1982, e de lá pra cá aprendemos a ser campeões, não importando os meios, como na “lei do Gerson” dos tempos modernos.
Que Henry, tivesse apenas coerência, em jamais levantar o braço reclamando ao juiz algum toque de mão. Mas caráter é caráter, e só nascer no berço da polidez não adianta.
Precisamos de ética, de justiça, de coisas belas, para que o esporte realmente seja merecedor de “exemplo”para a juventude, na qual se deposita o fogo flamejante da esperança (de um mundo melhor).

K Kampus.