quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Itapuã (Caetano Veloso)


Nosso amor resplandecia sobre as águas que se movem . Ela foi a minha guia quando eu era alegre e jovem. Nosso ritmo, nosso brilho, nosso fruto do futuro. Tudo estava de manhã! Nosso sexo, nosso estilo, nosso reflexo do mundo. Tudo esteve em ItapuãI. tapuã, tuas luas cheias, tuas casas feias viram tudo, tudo, o inteiro de nós. Itapuã, tuas lamas, algas, almas que amalgamas Guardam todo, todo, o cheiro de nós. Abaeté, essa areia branca ninguém nos arranca É o que em Deus nos fiz. Nada estanca em Itapuã. Ainda sou feliz. Itapuã, quando tu me faltas, tuas palmas altas, mandam um vento a mim, assim: Caymmi. Itapuã, o teu sol me queima e o meu verso teima em cantar teu nome, teu nome sem fim. Abaeté, tudo meu e dela, a lagoa bela sabe, cala e diz; Eu cantar-te nos constela, em ti eu sou feliz. Ela foi a minha guia quando eu era alegre e jovem