terça-feira, 25 de março de 2008

Aos meus filhos.




Um áries, outro peixes e eu uma balança que só se atreveu a medir o peso dos sentimentos a partir do dia que Deus me fez Pai. Que dádiva, que luz, que presente maravilhoso. Assim, tornei-me com certeza uma pessoa melhor; nada milagroso. Parece que é sempre assim com todos nós que amamos e que nos tornamos pais. Não esqueço aquele 25 de março de 1988, nasceu Tiago, servo do nosso bom Deus. Foi tanta alegria, tanta felicidade que procurei ficar sozinho. Não queria a companhia de ninguém. Aquela noite foi muito curta prá eu refletir sobre a imensidão de filminhos que passavam na minha cabeça. Amei aquele dia intensamente. Meu filho era muito feinho, muito cabeludo e magrinho. Mas minha esperança se fez mais do que realidade. Resultado? - Bonito por fora, lindo por dentro. Eu o amo muitão. É parte de minha paz, é parte de mim e inteiro por si só, abençoado por Deus. Quatro anos mais tarde, ou mais precisamente em 19 de março de 1992, naquela manhã de um sol radiante e naquele pequenino Hospital São Marcos, nascia Daniel. Exageros a parte, o bebê mais lindo que já ví. Forte, alegre e São Paulino. ah! isso foi um problemão. Lembro-me muito bem que eu insistia com ele para que torcesse pelo Fluminense. Explicava-lhe: Meu filho, você pode torcer em S.Paulo para o time do São paulo e no Rio para o Fluminense. Ele sizudamente olhava-me e repetia: Não, não, não, tá querendo me enrolar. Sou só São Paulo. Então, conclusão: Foi o primeiro filho que conheço, que fez o Pai torcer para seu clube. Fiz do São Paulo meu segundo clube. Daniel é para mim a outra parte de minha paz, é o outro prato da balança. São eles o meu sustento, meus maiores amores, meus professores, minhas referências, minhas lágrimas, minhas alegrias, minhas certezas, minhas fantasias. Lembro de uma canção do Chico, que se não me engano tem o título de "As Meninas" e que adaptando aqui citaria um trecho mais ou menos assim: "Meus meninos são meus, só meus, na minha ilusão..." Tudo o que desejo para eles não é muito diferente do que todos os pais desejam para seus filhos. Mas sempre faço uma coisa que talvez seja um pouco mais forte do que um desejo. Eu torço, torço muito para que eles nunca fujam de si mesmos, que não se procurem em outro lugar que não seja em si. E que tenham em Deus a sua fé maior para que compartilhem com seus próximos todo o amor que a vida haverá de lhes proporcionar. Parabéns mês de março. Parabéns, Tiago Cesar. Parabéns, Daniel Augusto. O Papai ama Vocês.