terça-feira, 7 de agosto de 2007

Aprendendo a cuidar....

Nesses 42 anos e alguns meses de minha vida, muitas coisas ainda não consegui e sei que jamais conseguirei compreender, mas pelo ao menos já sei o que não conseguirei. Apelo para a Psicologia, ciência que me fascina, para encontrar alí algumas justificativas que acalmem minha inquietude da alma. Agora atrevo-me mais uma vez colocar aqui algumas das minhas certezas que em muito têm contribuído para essa minha vida "quase feliz". Antes gostaria de salientar que encontro-me off em relação as "grandes verdades" que permeiam o mundo de hoje. Mas vamos ao que me interessa: E o que interessa? Cuidar do próximo, para que eu seja mais feliz, mais alegre, mais saudável. Tenho absoluta certeza que o Mundo seria por demais diferente se nos atêssemos mais a isso. Cuidar do próximo é a missão maior de cada um de nós, é o que nos faz verdadeiramente felizes, é o que nos enche de alegria é o que nos dá paz. No entanto ainda persistem frases que jogam por terra toda essa tentativa de nos melhorarmos. Posso citar algumas: "Não vou limpar isso aqui, pois não fui eu quem sujou. Não vou fazer o café do meu tio, pois eu não gosto de café. Não vou pagar contas que não são minhas, mesmo que meu irmão não possa pagar a dele, e por aí vai. Conclusão: Fiquei doente, porque nos menos 42 anos que já vivi, nada mudou. Fico tão transtornado que vejo que essa minha doença não colabora em nada pra que as coisas mudem para melhor. E o que ganho com esse meu pensamento, essa minha vivência do cuidar do próximo? Elogios, elogios, elogios.... Fodam-se os elogios. É como aquela frase do Poeta: " A lição sabemos de cor, só nos resta aprender...". Não há comprometimento, não há amor, não a compaixão. No entanto nessa Sociedade Imunda, sobra egoísmo, autoritarismo, grosseria, maus tratos, deseducação. Enfim sobram "horrores". E queridos amigos, sabem o que falta? DEUS!