domingo, 27 de maio de 2007

Saudade


Ai que saudade do meu tempo de criança tão distante, onde eu não tinha lembrança, onde saudade não havia. Ai que saudade da goiabada, mas do tempo de criança, aquela que não dá gosto comprar. Ai que saudade dos doces de minha Mãe, que eu sentado em um banco assistia ela cozinhar. Saudade da juventude de meus pais, onde existia esperança de um dia se entenderem e a coisa se ajeitar. Saudade dos versos "ricos" de meu Pai, que eu na minha infância sonhava um dia copiar. Saudade da saudade que um dia em moça idade minha Mãe esperançosa ousou sonhar. Saudade de um gol comemorado nos meus pés vermelhos pirraçados, e meu irmão me abraçar. Saudade da felicidade que nos ressoava pela falta da infelicidade que não sabíamos conceituar. Agora em minha idade, vou sonhar felicidade, vou semear toda bondade que eu possa plantar. Pra que eu possa nascer novamente e viver tão somente, pra não sentir saudade e chorar.