sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Há muita coisa além de querer Justiça (A CORJA DO OLHO D'ÁGUA)

Quando vemos nossos cofres roubados à exaustão e, temos em nossa cultura a "aceitação" dessa prática, chegamos a conclusão de que somos vítimas do costume desde 1500. A justiça seria feita se retornasse aos nossos cofres, cada centavo do que nos foi roubado. Mas não voltará. Sobre a Justiça existem várias óticas. No exemplo citado, se tivéssemos cada centavo de volta, a Justiça estaria feita. Essa é uma ótica única. Na série JUSTIÇA da Rede Globo, pudemos ver isso claramente. Quatro histórias que nos fazia refletir, analisar fundo e ver que a JUSTIÇA não aceita uma definição única. Mas, essencialmente aqui estou pra falar que após dois anos passados do assassinato de meu sobrinho,  BRUNNO EDUARDO, cheguei a conclusão de o que queremos, ultrapassa qualquer conceito do que chamam JUSTIÇA! Queremos resgatar nossos direitos de sonhar, viver, sorrir... Nenhuma justiça repararar o efeito aberto em nós. Não curará o que não tem cura, nem nunca terá. Numa análise fria com ajuda de Deus, fico com os relatos dos meus, das vítimas. Não gostaria de sujar meu Blog tendo que escrever nome que não ouso pronunciar, mas é preciso. DIEGO POLARY, VOCÊ ASSASSINOU UM HOMEM DE DEUS, UM HOMEM DO BEM. Você plantou em nossos corações a pior semente que poderias semear, com isso, vez ou outra vejo despertar em mim os sentimentos mais primitivos da raça humana. Tendo desvencilhar tais sentimentos, mas confesso ser difícil. Pro padre não conto meus pecados, talvez seja falta de hábito. Porém não consigo esconder de Deus o que sinto. Você e seus comparsas são os pulhas, estorvos que sujam seus espíritos fazendo doer tantas almas boas. Tua consciência sofrerá contigo. Corra de si, não terá jeito. Não verei você pagar sua dívida para com o BRUNNO, pois nenhuma justiça será capaz de me satisfazer. Para meu irmão, pai do BRUNNO, você não tem ideia do mal que fez. Não te darei o prazer de aqui relatar. Mas poderia parafrasear algumas canções que relatam nossa realidade. O júri de fevereiro de 2017, será mais um júri. Acabará com nossa ansiedade. Qualquer que seja o resultado, não sairemos de lá tendo o BRUNNO ao nosso lado. Talvez tenhamos em algum momento confundido as mentes doentias. Mas até os "Covardes" tem seus limites. Vocês vivem em outros mundos e, não conseguem perceber as prisões que construíram. E vamos seguindo com paciência. "Pela cachaça de graça que a gente tem que engolir. Pela fumaça desgraça que a gente tem que tossir. E pelos andaimes pingentes que a gente tem pra cair, Deus lhe pague" Há muita coisa além de querer Justiça