domingo, 21 de dezembro de 2014

O tolo do asfalto



Delegado não me bata,
por favor não me maltrata,
até juro que eu não entendi
Foram me buscar em casa
e eu vim como uma brasa
pra dizer tudinho o que eu vi

Peço perdão,
tudo o que eu disse
eu digo Não

Promotor, foi falhazinha,
aliás a culpa é minha
não foi nada disso, eu menti
Todo mundo é inocente
outro réu não me invente 
me algeme logo
eu assumi

Não tenho ilusão
eu que mereço
essa prisão

Seu Juiz, tá assumido,
é um caso resolvido
eu me entrego agora, estou aqui
Cancelar a diligência
é usar a inteligência
Não busque procurar mais por ali

Sem comoção,
feche o teatro
e a sessão

Agradeço a toda Imprensa
Obrigado a audiência
mas o filme tá chegando ao fim
Não fui obrigado a nada
nem um golpe de espada
juro que ninguém tocou em mim

Tá tudo certo, então
A viatura é a condução